Viajar para a Europa. Por onde começo?

Escrito por Márcia Regina Falcioni Pinesso

Imaginem vocês, morar no Brasil e ter a oportunidade de conhecer a Europa? Por onde começar?

Estava sossegada na minha vida cotidiana quando meu filho me convidou para uma viagem. Não era uma viagem daquelas que estávamos acostumados a fazer em família. Era um pouquinho mais longe...

Primeiro surgem as dificuldades, seja de ordem financeira, de complicações da idade, dos afazeres domésticos, entre outras. A ideia é boa, as condições podem ser construídas.

Meu “agente de viagem”, meu filho, começou a me encantar com a bela Itália. Nossa família tem uma história com aquela terra. Meus avós e o pai do meu esposo vieram da Itália no início do século XX, quando o panorama mundial não era muito animador e o Brasil representava, naquele momento, uma possibilidade de uma vida melhor para aquele povo que vinha em busca de terras e trabalho. A nossa viagem para a Itália seria então uma ótima oportunidade de conhecermos os lugares onde viveram nossos antepassados e vivenciarmos emoções inimagináveis. Então, embora fazer as malas...

Chegou o dia de embarcar para esta grande aventura, afinal são quase 10.000 km que nos separam. No fim da tarde pegamos um voo direto, de São Paulo/Guarulhos a Roma/Itália. Voo tranquilo, poucas turbulências, comissários atenciosos, tripulação confiante, boa comida, televisão com bons filmes e séries.

Enfim, chegamos pela manhã. Desembarcamos e logo percebemos que muita gente chegou em Roma naquele dia e horário. Uma fila quilométrica se formou no setor de imigração. Nós, sem vacilar, entramos na fila, ainda meios dormentes aguardando a tal fila andar. Começou a hora de exercitar nossa familiaridade com a língua, com os modos e expressões das pessoas que ocupavam conosco aquele espaço. De repente surge uma ragazza, funcionária do aeroporto e diz: "bambini, bambini", sinalizando para uma fila preferencial. Nesta nova fila um fato curioso, não haviam outras famílias com crianças e nem muitos idosos. Descobrimos depois que na Itália a preferência para idosos é a partir de 70 anos. Descobrimos também quanto os idosos vivem naquele país, estão nas ruas fazendo caminhadas, nas estações de trens, ônibus e metrôs, nos restaurantes, nos parques e nos pontos turísticos que visitamos. Velhinhas de cabelos brancos, bem vestidas, acompanhadas de seus companheiros ou mesmo de outra senhorinha. A Itália nos parece, um local perfeito pra envelhecer.

Passamos pela imigração, saímos então com nossos passaportes para retirar nossas bagagens que, diga-se de passagem, poderia ter sido bem menor.

Nosso plano era pegar um trem que nos levaria perto do hotel reservado, mas fomos convencidos por um motorista muito atencioso a pegar uma Van, dada a bagagem que carregávamos. Agora sim, dentro deste veículo nas ruas de Roma, a caminho do hotel. Não queríamos perder nada, fotografamos as vias públicas, as placas, as construções, as árvores verdes e sem folhas também por conta da estação, tudo era novo, tudo era lindo! O motorista nos dava informações dos lugares por onde passávamos. Nosso roteiro de viagem estava pronto e o desejo de descer daquele veículo e explorar de perto tudo aquilo era enorme. Mal sabíamos quantas histórias estariam escondidas naquele lugar, mas o fato é que logo descobriríamos, com certeza.

Chegamos ao Hotel, e agora descansar ou viver a Itália?