Um passeio pela Chiesa di Santa Maria Maggiore

Escrito por Márcia Regina Falcioni Pinesso

Gente, o que fazer durante três dias em Roma? Acreditávamos que era tempo suficiente, antes de conhecê-la. Avaliamos mal, pensávamos que indo ao Coliseu, Palatino, Fórum Romano, Vaticano e andar pelo centro da cidade, três dias seriam suficientes. Ah que pena!

Nosso encontro com Roma foi amor a primeira vista. As vielas com seus prédios antigos exibindo em suas janelas floreiras e cortinas leves, uma pequena banda com músicos descendo a ladeira, tocando seus instrumentos a caminho da igreja, o interior das igrejas com arte do chão ao teto...Tudo isto, verdadeiro colírio aos olhos de quem viaja pela primeira vez para Roma.

Três dias, é o tempo que temos, vamos caminhar pelo centro da cidade.

Saímos num fim de tarde depois de um dos passeios previsto para o dia. Nos deparamos com uma igreja. Uma construção imponente, como muitas outras que vimos por lá. Seguimos a fila pra ver o que acontecia lá dentro, visto que era um fim de tarde de domingo.

Meu Deus! Maravilhosa! Arte por toda parte. Era a Chiesa di Santa Maria Maggiore . Uma mistura de templo com monumento. O teto todo trabalhado em madeira dourada, projetado por Giuliano San Gallo, em 1450, que remete a ideia de ouro puro. O piso em mármore é um encanto a parte. Algumas esculturas, como a do Papa Pio IX, o altar principal, o relicário da Manjedoura de Jesus, a Capela Sistina em homenagem ao papa Sisto V, nos encantam pelos detalhes que apresentam. Nem chegamos a ver o que tinha no andar superior. Fica pra próxima.

E pensar que esta foi só uma das igrejas, das muitas que vimos por onde passamos.

Depois deste passeio uma coisa é certa, quantos tesouros existem dentro de construções históricas na Itália. Por fora basicamente a mesma arquitetura, por dentro tesouros guardados, resultado de trabalho humano, trabalho artístico, trabalho restaurativo para se preservar a cultura. Cultura que passa de geração em geração, que marca, que encanta, que faz pensar... há que belo, um dia queremos voltar.