De trecho em trecho, a gente chega lá…

Escrito por Márcia Regina Falcioni Pinesso

Olá pessoal, hoje o assunto é voar, voar até chegar ao destino planejado. Com todas as pessoas que converso sobre viajar de avião, elas são unânimes em dizer do sentimento de impotência que sentem quando tem que cruzar o céu de um lugar a outro. Não importa a distância, se é perto ou longe, se tem escala ou o voo é direto, todos concordam que sentem-se pequeninos diante deste gigante no ar - o avião.

A viagem começa quando definimos os lugares, as pessoas que vão conosco, se as aventuras serão com muita calmaria ou com muita agitação. Fatores esses que definem o viajante e auxiliam nas escolhas das acomodações, do transporte mais adequado e da companhia que oferece mais confiança, como também, outras vantagens para a viagem. Definido isso, agora é comprar as passagens, arrumar as malas e esperar a hora de embarcar.

Quando o meio de transporte é o avião, tudo fica mais tranquilo depois da decolagem. Ufa, passada a ansiedade, hora de aproveitar o serviço de bordo até o fim do trajeto que pode ser parte da viagem ou fim do caminho pra chegar ao destino. Confiar no sistema aéreo, na empresa escolhida, nos pilotos e controladores de voo que conduzirão a aeronave ao destino, são requisitos que fazem toda a diferença na viagem.

O atendimento pelos comissários de bordo é um diferencial. A tranquilidade que eles demonstram no desenvolver das atividades possibilita um grau de confiabilidade muito bom. Imaginem se eles ficassem desesperados quando os pilotos anunciam uma turbulência, um pouso forçado ou um imprevisto na pista, que não está preparada para receber a aeronave.

Nosso destino pode ser as praias do Nordeste ou do Sul do Brasil; a grande São Paulo; Brasília; o Estado do Amazonas; algum país da Europa; da África ou da Ásia, sem dúvida alguma, o meio de transporte mais rápido é o avião.

Uns vão a lazer, outros a trabalho. Uns retornam pra suas casas, outros vão pra longe dos seus. Tem quem vive dentro de uma aeronave, de lá pra cá, daqui pra lá. Sobe aqui, desce ali. Suas vidas acontecem de viagem em viagem, de trecho em trecho, de lugares em lugares, seja em busca de novidades ou de rotinas, mas sempre dentro de um avião.

Quando parte do trajeto é São Paulo, não tem visão mais animadora do que ver as vias com seus carros cortando a cidade. O rio Tietê, as casas, os prédios, a vegetação. Parece uma enorme maquete, como se fosse tudo em miniatura, mas não. A distância que nos separa é de alguns metros e logo não teremos mais esta magnífica visão, porém teremos a satisfação de ter vencido parte do trecho. Desembarque autorizado, vamos nós pra outra etapa da viagem, pois o destino é um pouco mais adiante.

O destino hoje é Maceió, no Estado de Alagoas. Aguardar o voo para uma conexão. Já dentro da aeronave o piloto dá as boas vindas a tripulação e algumas orientações. Nós então além de atendermos as recomendações, observamos a paisagem, enquanto o avião sobe. Lá de cima, com máquina fotográfica ou mesmo um celular em modo avião, registramos tudo para guardar na lembrança, de mais uma viagem em busca de descanso, divertimento, novas experiências e muitas histórias pra contar.

Céu de Maceió

Os Aeroportos são bem parecidos, não tem muitas diferenças na ala que atendem voos domésticos. Geralmente ficam um pouco distante dos locais das hospedagens, mas tem sempre um transporte alternativo que nos conduzirá ao destino escolhido. O transporte de Van é bem utilizado em Maceió, tanto para conduzir os viajantes do aeroporto ao local de hospedagem, quanto levar os turistas para conhecer as praias da região, com dias e horários agendados.

Em Maceió conhecemos um pouco da história de um dos muitos trabalhadores alagoanos, o Sr Antonio Carlos. Ele nos contou que foi o primeiro morador a plantar um coqueiro na orla da praia de Pajuçara, depois dele seus vizinhos tiveram a mesma iniciativa. Sr Antônio cuida do seu espaço com muito amor e dedicação. Esconde em sua simplicidade uma invejável consciência política, cultural e social. Aparentemente não frequentou os bancos escolares por muito tempo, mas a vivência com a natureza e com seu povo faz dele um sábio, em questões políticas, econômicas e ambientais. A música nordestina é bem divulgada pelos cantores regionais. É um prazer conviver com os músicos em todos os lugares, seja na orla da praia, no catamarã, nos bares ou nas praças. Mas o que mais impressiona são os repentistas passando na orla das praias entoando seus repentes para cada tipo de turista. Me chamou de linda, tem meu respeito e minha eterna admiração.

Praia de Pajuçara - Maceió

O tempo passa muito rápido, como um pequeno trecho de avião, vamos pra um novo trajeto de viagem, pro Sul do Brasil, Santa Catarina, lá temos muitas opções de praias e a tarefa mais difícil é fazer a seleção. Tem praias pra todos os gostos, algumas bem badaladas, outras de difícil acesso, todas com muitas histórias e muita beleza. O primeiro destino escolhido é a Praia do Forte, localizada no norte da Ilha de Florianópolis, foi base militar responsável por manter a segurança da ilha, no século XVIII, no período do Brasil Colônia. Guarda um verdadeiro tesouro histórico. O acesso é por uma estrada estreita e sinuosa, difícil de chegar e mais difícil ainda de sair, quando o movimento de carros aumenta. Tem que ser motorista, não é para principiante. Não vivi esta aventura, mas existe uma trilha e o trajeto pode ser feito a pé.

Praia do Forte
Praia do Forte
Praia do Forte

Não muito longe da praia do Forte, tem a praia dos Ingleses. O local tem vida própria. Tem uma variedade de hotéis, pousadas, casas e apartamentos para locação. Muitas opções de bares, restaurantes, entre outros pontos comerciais. A paisagem é maravilhosa, seja da praia, das dunas, dos morros ou mesmo da vegetação nativa. Pode ser bem tranquila para receber famílias e também bem badalada pra quem gosta de agitação. Tudo vai depender da acomodação que você escolher, por isso é bom conversar com o seu agente de viagem, ou mesmo com o anfitrião.

Praia dos Ingleses
Praia dos Ingleses
Praia dos Ingleses - Amanhecer

Ainda no norte da grande Florianópolis, vamos visitar mais um bairro histórico, Santo Antonio de Lisboa, um lugarzinho belo e aconchegante. Abrigou Dom Pedro II, em visita em 1845. A primeira calçada do bairro foi feita para receber a visita ilustre. O bairro não tem prédios, apenas belas casas. Tem um pequeno comércio para atender os habitantes, que são pouco mais de mil pessoas. O local é visitado por turistas que apreciam a pesca artesanal e também uma boa culinária que oferece frutos do mar.

Santo Antonio de Lisboa

Do outro lado da ilha, tem a praia do Campeche. Também tem vida própria e é considerado um bairro bem populoso de Florianópolis. Tem uma boa estrutura com lojas comerciais e serviços diversos. Por estar localizada no Sul da ilha, as águas são mais frias, diga-se de passagem, muito boa quando a temperatura chega aos 40 graus.

Praia do Campeche

Assim, chegamos ao fim desta viagem, agora voltar para casa, baterias recarregadas, retomar a vida cotidiana, correr, batalhar, para poder projetar o próximo destino, quem sabe chegar na Itália ao nascer do sol. Até breve!