Coliseu: um monumento romano

Escrito por Márcia Regina Falcioni Pinesso

Mais um dia para vivermos as histórias da bela Roma. Desta vez, um passeio pelo Coliseu. Um monumento construído nos anos 70 d.C. no reinado do imperador Vespasiano e de seu sucessor, Tito.

Chegamos cedo, ingressos comprados e muita gente se movimentando para entrar no recinto. Logo fomos abordados por uma brasileira que anunciava o serviço de um guia turístico, que já estava dentro de Coliseu acompanhando um grupo de brasileiros. Até nos esforçamos para encontrar o guia, mas não conseguimos identificá-lo pela descrição física que ela nos deu e o local que sinalizou que ele estaria. Começamos a desvendar aquele lugar que tem um ar melancólico. Nossos conhecimentos, tanto enciclopédico, quanto por filmes e fotos nos traziam à memória histórias e mais histórias que foram registradas a partir daquele lugar. Automaticamente fizemos relação com o filme Gladiador , dirigido por Ridley Scott, trazendo no elenco Russel Crowe, Joaquim Phoenix, Richard Harris, entre outros.

Nossa imaginação traz reflexões sobre trabalho humano para construção do monumento, as condições em que animais e homens eram presos nos diversos espaços reservados, aguardando a hora dos espetáculos na arena. Os espectadores nobres, que ocupavam o podium, a classe média que ficava na meaniana e o pórtico ocupado pela plebe e pelas mulheres. A arena era utilizada para batalhas sangrentas entre os gladiadores e também para sacrificar cristãos perseguidos por causa da fé cristã. Esses eram devorados por animais ferozes e famintos.

Andamos por tudo, vimos reformas, restauração de paredes, informações da guerra que praticamente destruiu o monumento. Sabíamos que tinha mais arte escondida naquele lugar. Fomos perguntando a alguns vigilantes que ali trabalhavam, por um elevador que nos levasse ao andar de cima. Encontramos. Subimos sem imaginar o que nos aguardava. Sem um guia é difícil se apropriar de tanto conhecimento. Saímos do elevador, e bem a nossa frente algumas esculturas, bustos de homens, estátuas de animais, estatuetas, lápides registrando fatos históricos, maquetes e painéis diversos. Ao mesmo tempo que nos deliciávamos com as obras expostas, não podíamos deixar de pensar nos nossos colegas professores de Arte, História, Geografia, Ciências, Filosofia, Sociologia e porque não de Matemática, Física, Química, Linguagens...afinal a disciplina escolar não tem tanta importância diante de tão grande riqueza historicamente construída.