Beto Carrero World – o maior parque temático da América Latina.

Escrito por Márcia Regina Falcioni Pinesso

Você já pensou em visitar um parque temático, mas se sente fora da idade para isso? Então, tenho que lhe informar que o Beto Carrero Word, situado no município de Penha -SC, bem próximo ao Balneário Camboriú, tem diversão para todas as idades. Impossível você não encontrar nada que aprecie nos 14 milhões de m² ( sendo 3 milhões desses, de mata atlântica preservada) que aloja o parque, com mais de 100 atrações, uma arquitetura que caracteriza muito bem os diferentes espaços e um paisagismo abundante, fatores capazes de atender qualquer gosto e expectativa de visita.

O parque é dividido em áreas temáticas, entre elas estão: Avenida das Nações, Madagascar; Ilha dos Piratas; Triplikland (área mais infantil composta por roda gigante; xícaras malucas, autopista, carrossel veneziano, baby elefante, pedalinho); Vila Germânica; Mundo Animal; Terra da Fantasia; Aventura Radical e Velho Oeste. Cada uma com seus encantos, suas marcas comerciais, esculturas, pontes, travessias.

Confesso que já visitei o parque algumas vezes. A primeira vez, há uns 10 anos atrás, nossa aventura tinha duas crianças, lógico que as atrações que vivenciamos foram mais adequadas a idade das crianças. Me recordo de ter assistido uma apresentação bem infantil, mas que amei, pois na época ainda atuava no chão da escola e aqueles personagens diziam muito de mim e das crianças com quem eu trabalhava. Foi o Raskapuska, situado na Avenida das Nações. O espaço destinado a atração é formado por 15 botes que navegam no interior de uma enorme montanha, repleta de cenários encantadores, com centenas de personagens da literatura infantil, muitos efeitos especiais, que termina com uma queda na água, recurso que é muito constante em outras atrações do parque.

As crianças da família cresceram e foi necessário nos lançarmos as atrações mais radicais, afinal de contas somos o modelo para elas, não é?

É bom dar uma olhadinha antes, ver como as pessoas se comportam nos brinquedos e decidir se vale a pena ingressar neste ou naquele brinquedo. O Madagascar Crazy River Adventure, meu brinquedo radical preferido, foi construído com mais de mil toneladas de pedras, utilizando cerca de 16 milhões de litros de água por minuto, com o objetivo de simular um rafting, que leva os visitantes através de um rio de quase um quilômetro de extensão e cinco metros de largura, apreciando um lindo cenário, inspirado no filme Madagascar, e para mexer com a adrenalina, num determinado local do trajeto recebemos um banho de aspersão. Pra mim, muito radical.

Se você nunca foi ao parque, não pode deixar de assistir o Madasgacar Circus Show, desta vez tivemos que optar em pegar uma fila básica para assistir outra atração de perder o fôlego, o Hot Wheels Epic Show. Seguimos as dicas do nosso guia João Pedro da Have Fun Turismo, e conseguimos apreciar as manobras radicais de renomados pilotos no volante. Muita adrenalina e pra quem gosta de ação, é o que se tem de melhor.

Quer mais adrenalina? Localizado na área Radical, tem o Tchibum é uma boa opção. Já fui marinheira de primeira viagem nesse brinquedo, mas desta vez, em pleno inverno, não me senti convidada para a aventura. Preferi registrar o passeio dos meninos. Esses sim, tomaram banho de verdade. Dependendo do clima é bom estar prevenido com roupas para uma troca, mas não se preocupem caso não tenham se organizado para isto, por lá tem lojas de roupas para adultos e crianças, e o preço não é muito fora do que estamos acostumados. Ainda sobre brinquedos radicais, eu tinha autorização dos pais das crianças para que elas fossem no FireWhip e no Big Tower, mas rolou um ¨suborninho¨ pra que deixassem pra outra oportunidade, de preferência com um adulto corajoso.

Na Vila Germânica encontramos a Tigor Mountaum I, que é uma pequena montanha russa com uma queda bem acentuada, mas nada que uma senhora aventureira não consiga ir mais de uma vez. Embalada pelos filhos e netos me aventurei uma vez. Quando terminou o trajeto, disse para todos em alto e bom som: Nunca mais! Depois disso, já fui mais duas vezes, por que o que define o espírito aventureiro é quem está perto da gente nos incentivando. E sempre estou rodeada de gente mais jovem do que eu.

Na Ilha dos Piratas, a aventura começa na ponte suspensa, que dependendo de quem está na travessia com você, aumenta a emoção, pois um dos divertimentos dos visitantes é fazer a ponte balançar pra lá e pra cá... depois que você faz a travessia é transportado para um mundo fictício de piratas. Algumas esculturas de piratas, de caveiras, aranhas gigantes, personagens reais vestidos a caráter e um brinquedo que já estou tirando de letra. Desta vez conseguimos entrar no barco pirata mais de uma vez, a pequena fila foi um fator determinante.

Na área dos brinquedos considerados mais infantis, a Triplikland, já vi muitos adultos "acompanhando" as crianças na xícara maluca, no carrossel veneziano e até no baby elefante. Agora, é bom que se diga que têm brinquedos para os adultos também. Quem nunca foi numa roda gigante? Na minha infância os brinquedos mais radicais que tive acesso foram exatamente uma roda gigante e um tobogã. Quando temos a oportunidade de resgatar estas lembranças não podemos pensar duas vezes. Bora roda gigante!

No Mundo Animal encontramos uma diversidade da fauna, e não é somente a brasileira não. O zoológico é destinado a proteção, amparo e conservação de certas espécies de animais. Nele podemos ver elefantes, búfalos, leões, zebras, tigres, aliás a primeira ninhada de tigre branco do Brasil, nasceu no Beto Carrero. Tem ainda um serpentário, o parque das aves, que é um lugar maravilhoso. A ilha dos macacos que podemos visualizar num passeio com o trenzinho Vila Esperança. O trem sai da Estação João A. de Queiroz e leva os viajantes a uma imersão de histórias da Terra da fantasia, entre elas o assalto ao trem que nos coloca nos trilhos do Velho Oeste. No caminho, a caverna dos dinossauros, o túnel da serpente, a terra dos gigantes e muito mais... É tudo tão encantador que não dá para ir uma única vez, tem que repetir.

Como não quero enganar ninguém, tenho que dizer que não conseguimos retratar todas as atrações, nem tudo que o parque tem a oferecer. É preciso muitas vezes para explorar as centenas de atrações. Algumas são pagas, não estão contempladas no ingresso.

Pra fechar o dia no parque, assistimos o Sonho do Cowboy que apresentou um novo cenário, com uma bela representação artística, pra deixar a gente com aquele gostinho de quero mais ...

Beto Carreiro Word é pura emoção. Não dá pra ir uma vez só, não dá pra deixar de ir porque acha que não tem idade. Bora nos organizar para a próxima! Bye.

Grupo de viajantes Have Fun Turismo
Última foto da aventura em 2019