Visitando um Castelo na França

Escrito por Emanuele Soto

Castelos, eu não me canso de visitá-los! Desta vez, aproveitando nossa viagem a Tours na França, fomos conhecer um dos mais belos castelos do Vale do Loire, o Castelo de Chenonceau, ou em francês: Château de Chenonceau”.

Algo que fizemos e claro que sugiro a todos: prepare lanchinhos em casa  e faça um picnic antes de entrar!. Existe um espaço com mesas e um gramado próprio para isso! Algumas famílias se reúnem ali para um delicioso lanche antes de entrar no castelo e por nem todos saberem dessa possibilidade, o local é muito tranquilo fora da muvuca de turistas. Até porque, se você pretende almoçar no restaurante interno terá que gastar um pouco a mais.

Bom, antes de tudo passamos na bilheteria na qual a tarifa (sem áudio guia) individual  custa 14,50 €, crianças de 7 aos 18 anos e estudantes de 18 a 27 anos pagam 11,50 €.

Lembrando que vale a pena verificar no site oficial os valores atuais, o site, livretos e áudio guias estão disponíveis em várias línguas, inclusive português.

Ok! Bilhetes comprados, guia em português nas mãos e áudio guia (para quem optar, deverá pagar um valor a mais), entramos pelos portões principais e a partir daí você fica livre para escolher o que gostaria de visitar primeiro: o castelo, os jardins, Galeria das Cúpulas e Galeria das Carruagens.

Minha amiga francesa, tinha me falado que esse castelo era o seu preferido, e logo quando chegamos eu entendi o porquê. Logo na entrada vamos seguindo por uma estrada onde já dá para imaginar as carruagens e cavalos passando, entre as árvores do seu lado esquerdo e direito já poderá visualizar a linda área verde, um labirinto de cerca viva e á sua frente vai surgindo o castelo. Ao se aproximar, antes de ir para o castelo, nós decidimos visitar os jardins, que realmente é muito encantador! Repleto de flores e todo desenhado, parece uma pintura de tão perfeitos os detalhes.

Começamos pelo Jardim de Diane de Poitiers, segundo as informações do guia, a estrutura do parque continua a mesma desde a sua criação, porém o desenho atual é obra de Achille Duchêne (1866-1947). Com 12.000 m², cercado por terraços elevados , que protegem a área contra as cheias do rio Cher, o jardim ainda conta com um chafariz ao centro, vários vasos ornamentados e rosas, petúnias, dálias, begônias… Já dá para imaginar o quão grande e lindo é!

Do lado oposto desde jardim, fomo para o Jardim de Catherine Médicis, este com 5.500 m², um pouco mais íntimo porém igualmente belo, e na minha opinião a visão do castelo é até mais bonita, dá pra tirar fotos lindíssimas do jardim e de fundo parte do castelo. O jardim da rainha é mais requintado, com vasos cheios de flores, buxos cuidadosamente aparados, tudo parece perfeito.

Após os jardins demos uma passada na Galeria de Carruagens, que fica na estrebaria da fazenda do século XVI, onde reúne uma coleção de veículos de tração animal. Ainda dentro da fazenda, nos sentimos em um cenário de filme de época, é tudo muito bem conservado, ali funciona um ateliê de flores onde durante o ano todo floristas trabalham para garantir esse espetáculo para os visitantes, a horta é aberta e todos podem entrar e admirar o espaço de mais de um hectare onde são plantados legumes, verduras e mudas de plantas. Essas mudas além de comporem os jardins, enfeitam os vasos no interno do castelo, é muito capricho.

Tudo muito lindo por fora, fomos conhecer o Castelo das Damas, sim, ainda estou falando do Castelo de Chenonceau, ele ficou famoso com o esse título pois foi cuidado, reformado, aumentado… por mulheres! Primeiro por Diana de Poitiers, a preferida do rei Henrique II, depois pela rainha Catarina de Médicis, viúva de Henrique II, e depois Louise de Lorraine, a última representante da realeza a viver no castelo. Após elas ainda passaram pela história do castelo: Louise Dupin, Marguerite Pelouze e Simonne Menier. Todas foram responsáveis de alguma forma pela evolução e conservação do castelo.

Ainda fora do castelo, vemos a “Torre dos Marques”, único que restou após a demolição da cidadela para construir o Chenonceau. Entramos diretamente na Sala de Guarda, nas paredes, uma série de tapeçarias de Flandres do século XVI retrata cenas da vida do castelo. Esta sala dá acesso à Capela, com vitrais do século XX, já que os originais foram destruídos durante um bombardeio de 1944. Era nesta capela que as rainhas assistiam à missa. A Capela foi preservada durante a Revolução Francesa, graças à ideia de Louise Dupin, usá-la como depósito de lenha e assim a escondendo.

Cada ambiente é muito diferente do outro, principalmente os quartos, é possível visitar o quarto de Diane de Poitiers, o Gabinete Verde (local de trabalho de Catarina de Médicis), a biblioteca (que tem somente quadros), a galeria (uma extensão do castelo, construída sobre a ponte, com 60 metros de comprimento e 6 metros de largura, iluminada por 18 janelas, era onde os luxuosos bailes aconteciam), a cozinha (nota pessoal: fiquei apaixonada por este local, inclusive é possível vocês verem algumas fotos que fiz. É composta por três salas, no imenso porão), Salão François I (dedique um tempo nessa sala para admirar os belos quadros), Salão Luís XIV (tem um quadro em específico nesta sala que tanto a pintura quanto a moldura são impressionantes), o Vestíbulo, a escada (que dá acesso ao próximo andar), subindo as escadas temos, o Vestíbulo de Katherine Briçonnet, o quarto das cinco Rainhas, o Quarto de Catarina de Médicis, Gabinete de Estampas, Galeria Médicis (coleção de pinturas, tapeçarias, móveis e objetos de arte), o Quarto de César de Vendôme (filho do rei Henrique IV), o Quarto de Gabrielle D’Estrées. No segundo andar e último, passamos pelo Vestíbulo e temos acesso à apenas um dos quartos, o Quarto de Louise de Lorraine, um local totalmente diferente de todo castelo, pois é bem escuro, todo decorado com símbolos de luto, afinal ela era a viúva de Henrique III.

No primeiro andar é possível acessar a sacada e ter uma vista geral dos jardins e a parte da frente do castelo, vimos até alguns balões sobrevoando o local, que deixa muito charmoso é claro.

Como opção para os amantes da natureza: dá para alugar um caiaque e fazer um passeio pelo rio. O lugar conta com uma área verde enorme para caminhadas.          

Como chegar:

O Castelo de Chenonceau situa-se na Touraine, em Chenonceaux, à 214 km de Paris e 34 km de Tours. 2 horas de carro pela autoestrada A10 (saída Blois ou Amboise) 1 hora e 40 minutos de T.G.V. à partir de Roissy Paris-Aeroporto de Roissy-CDG / St-Pierre-des-Corps 1 hora de T.G.V. à partir de Paris Paris-Montparnasse /St-Pierre-des-Corps (Tours) 1 hora e 50 minutos pelo TGV Bordeaux / St-Pierre-des-Corps 25 minutos de TER a partir de Tours.